sábado, 4 de junho de 2011

Site comercializa drogas ilegais e faz entregas em casa

O Silk Road foi lançado em fevereiro e funciona como se fosse uma Amazon ou Mercado Livre das drogas

Há cerca de três semanas o serviço postal americano entregou um envelope com um pequeno saco plástico, contendo dez pílulas de LSD. De acordo com o site Gawker, Mark, o destinatário da entrega, tinha feito o pedido das gramas de ácido por meio de um serviço bastante incomum: um site de compra de drogas, chamado Silk Road, ou, Rota da Seda.

O site é o mercado negro digital das drogas, que funciona em anonimato e com um sistema de comunicação com os usuários bastante sofisticado. Assim como um Mercado Livre das drogas, o site divulga compras e vendas de entorpecentes ilícitos com a mesma facilidade com que se compra um equipamento eletrônico em sites convencionais.

Mark entrou no site, encontrou um vendedor da droga, adicionou a substância ao seu "carrinho de compras" virtual e clicou em "check-out". Então, o desenvolvedor forneceu seu endereço e pagou US$ 150 para que, em quatro dias, o LSD fosse enviado para a sua casa no Canadá. "Se você tivesse aberto [a correspondência] não teria sequer notado, a menos que estivesse procurando [pela droga]", disse Mark em entrevista para o site. "Eu me senti como se estivesse no futuro", comentou.

A lista de drogas no Silk Road é vasta. Lá é possível encontrar haxixe, ecstasy, heroína, LSD, maconha, entre outras substâncias ilegais. Mas o site restringe a venda de qualquer coisa que tenha o propósito de prejudicar ou fraudar como armas letais, cartões de crédito roubados, bombas e afins.

Uma vez dentro do site, segundo o Gawker, é difícil acreditar que não se trata de uma farsa. Porém Mark, o usuário de LSD, e outro "cliente", morador de Connecticut que comprou maconha pelo Silk Road, garantem que a maioria dos anúncios são legítimos e as drogas são de boa qualidade. "Foi a melhor [maconha] que eu já vi", disse o engenheiro de Connecticut.

Da mesma forma como os sites de compras e vendas tradicionais, o Silk Road reduz as fraudes com um sistema de negociação baseado em reputação. Usuários comentam sobre o vendedor e este, consequentemente, recebe mais pedidos. "Excelente qualidade de embalagem e comunicação. Chegou exatamente como descrito", disse um dos clientes sobre o fornecedor que ganhou cinco pontos na negociação.

Para comprar algo no Silk Road, no entanto, é necessário, em primeiro lugar, adquirir algumas Bitcoins (moedas digitais) em um serviço paralelo para ter créditos na conta. Um Bitcoin vale cerca de US$ 8,67 e é suficiente para comprar 3,5 gramas de maconha, que, obviamente, é mais cara do que as vendidas nas ruas dos Estados Unidos por conter, agregado ao valor, a conveniência de comprar a droga online.

Muitos internautas acreditam que a associação da droga com a Bitcoin pode manchar a reputação da moeda digital e até chamar a atenção de autoridades federais para o tráfico digital. Jeff Garzik, um membro da equipe de desenvolvimento do Bitcoin, disse ao site que a moeda não é tão anônima quanto os usuários do Silk Road acham. Segundo ele, todas as transações são armazenadas em um registro público e policiais poderiam usar técnicas sofisticadas de análise para rastrear usuários da moeda.

Para quem se animou com a ideia de comprar drogas online ou ficou preocupado com a "novidade", saiba que para fazer parte da Silk Road é bastante complicado. O próprio endereço é complexo e só pode ser acessado por meio de uma rede de anonimato, chamada TOR, que requer um certo conhecimento técnico para ser configurada.

Fonte: Olhar Digital (Imagem: Gawker)

Um comentário: